Cientista brasileiro cria um metaverso no qual será possível “viver” após a morte.

Para durar para sempre, através de várias tecnologias, “Vida” em ambiente digital parece ficção científica mas através do projeto Legathum, isso está se tornando mais real a cada dia desenvolvido pelo neuropsicólogo brasileiro Deibson Silva

O projeto reúne neurociência, inteligência artificial e tecnologia blockchain, construindo uma espécie de “metaverso” destinado ao patrimônio de pessoas e organizações. Silva diz assim O objetivo é perpetuar as memórias humanas e trazê-las à vida em um ambiente interativo para que todas as gerações possam aprender e conviver com o conhecimento humano.

Silva é neuropsicólogo formado pela Faculdade de Medicina da USP e estuda o comportamento humano desde 2013. quando lançou o software de análise de comportamento “Assessment” usado por mais de 1,2 milhão de pessoas em todo o mundo e cuja metodologia já formou mais de 11.000 profissionais do Brasil, Estados Unidos, Portugal e Angola.

A iniciativa também conta com cientistas de dados Os especialistas em Inteligência Artificial Alice Hua e Tim Chen se formaram na Universidade da Califórnia em Berkeleyque é a maior universidade pública dos Estados Unidos.

O desenvolvimento do Legathum começou em 2020, pouco antes do início da pandemia de Covid-19uma época em que as pessoas começaram a refletir sobre a fragilidade da vida e o quanto as memórias daqueles que amamos são importantes para o nosso crescimento como humanidade.

“O objetivo é realmente perpetuar o conhecimento, as memórias e a personalidade de uma pessoa; é fazer com que todos deixem seu legado e a partir daí, vivos ou não, compartilhem sua mentalidade e experiências com outras pessoas”, enfatiza a neuropsicóloga.

A vida no metaverso após a morte

Silva explica o legathum usa várias tecnologias para manter vivo o legado das pessoas do metaverso mesmo após sua partida.

See also  Como salvar a Amazônia: o legado de Bruno e Dom vai ressoar por muito tempo - 17/06/2022

Entre eles está um bot de inteligência artificial que pode rastrear o perfil dos prospects por meio de interações com pessoas, conversas e arquivos. por Legathum e criar uma espécie de ‘clone’ digital com ele.

Este “clone” com as permissões corretas do usuário pode ser “ativado” posteriormente no metaverso quando o participante deixar o mundo físico, Dessa forma, preservam suas memórias e experiências, e permitem que seus saberes e experiências continuem a “viver” no metaverso.

Para demonstrar como a plataforma funciona e o potencial da tecnologia, Legathum criou atualmente dois avatares conscientes: Meta Jobs e Meta Einstein, versões virtuais de duas das maiores personalidades dos últimos tempos, Steve Jobs e Albert Einstein.

Eles foram criados a partir da compilação de dados (texto, áudio, vídeo, estudos, biografias e mapeamento de personalidade) extraídos do domínio público internet mundial e que poderão interagir com os usuários por meio de inteligência artificial.

A empresa tem um calendário de eventos para o mês de julho, sendo o primeiro disponível em sua própria plataforma de streaming. Também será lançado o podcast exclusivo sobre empreendedorismo com o Meta Jobs, assim como um curso sobre a importância da relatividade no nosso dia a dia com o Meta Einstein.

Também em julho, o Experience Center no Vale do Silício será inaugurado em um dos maiores polos de inovação e robótica da Bay Area.

No mesmo dia, o Legathum Museum – espaço para exibição de obras em NFTs homenageando as maiores figuras da história e a Legathum Arena – espaço para conferências, painéis e podcasts no Metaverso – já estarão disponíveis nas lojas META e Epic Games.

sinal

Ainda segundo a empresa, figuras como Cafu, Zé Roberto, Minotouro, Tirulipa, Maurício Benvenutti, Guga Stocco e Walter Longo já têm contrato com a empresa e estarão presentes no Metaverso por meio de seus avatares.

“A forma como as pessoas participam de conferências, shows, reuniões, fazem negócios, vendem produtos e serviços nunca mais será a mesma. Empresas, universidades, instituições e indivíduos poderão compartilhar todo o seu conhecimento e expertise, criar raízes pedagógicas com aulas interativas, foco na gamificação e inserção de fatos realistas, tornando o processo de aprendizagem e desenvolvimento humano ainda mais eficaz e prazeroso”, enfatiza Silva.

Para acessar a plataforma de experiência e aprendizado do Legathum, você deve adquirir o META Legathum, o token nativo da plataforma que concede ao usuário acesso a todos os produtos e serviços disponíveis no Metaverse.

See also  Cresce suspeita de ligação entre vírus da hepatite e Covid-19 - 23/05/2022

Além disso, com o token é possível registrar seu legado na plataforma, acessar e interagir com sua personalidade favorita, visitar o museu interativo, participar de cursos ao vivo, conferências e shows via realidade virtual e além do jogo também jogar” Legathum in Metaverse” entre outras iniciativas que são criadas e adicionadas ao Legathum.

CONTINUE LENDO

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil Instagram e não telegrama Receba novidades em primeira mão!

Leave a Comment

x