Dólar recua para R$ 5,03 no sentimento externo após sinais dos BCs

Dólar cai para R$ 5,03 no sentimento externo após sinais dos BCs

Notas reais e de dólar

por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar encerrou a sessão com forte queda de mais de 1%, cerca de 5,03 reais, em uma quinta-feira de forte demanda de risco nos mercados internacionais, à medida que os investidores digeriam os sinais da política monetária.

O dólar à vista caiu 1,07%, para 5,0373 reais, próximo à mínima diária de 5,0305 reais (-1,20%). O máximo foi de 5.109 reais (+0,34%).

No exterior, o índice do dólar caiu quase 0,5% em relação a uma cesta de moedas, o que é bastante revelador para o padrão do indicador. O dólar australiano, muitas vezes visto como um proxy para a demanda de risco, subiu 1,2%.

Os mercados ainda pareciam estar de olho em pontos divergentes nos sinais do Fed, mas a percepção de que o Fed pode não ser capaz de entregar todos os aumentos de juros prometidos pode pesar sobre o dólar e elevar as ações, levando a que contribuísse para a demanda por ativos de risco – como mercados emergentes e/ou moedas relacionadas a commodities.

E nesse contexto, os altos juros brasileiros falam pelo câmbio. O Bacen deu a entender no dia anterior que poderia parar de aumentar a taxa Selic a partir de maio, mas somando-se ao patamar já bastante elevado da taxa de juros em relação aos seus pares, existe o risco de o BC ter que estender o ciclo de aperto monetário em meio à implacável pressão Inflação.

“A continuação do ciclo de alta sinalizado para maio deve fornecer algum suporte para o real”, disse o Barclays em nota. “Estamos taticamente apertados em relação ao real em relação ao peso mexicano, mas continuamos construtivos na visão de médio prazo do real, devido ao carregamento alto e aos riscos políticos relativamente contidos por enquanto”, disse o banco.

Thiago Melzer, sócio da Upon Global Capital, disse que o Brasil deve continuar a superar os pares emergentes no curto e médio prazo, mas o influxo surpresa de estrangeiros no país visto no início do ano deve recuar em meio a fatores locais e uma percepção de maior risco relacionado a mercados emergentes.

Em sua opinião, o país experimentou uma recuperação como resultado da melhoria dos termos de troca; um cenário eleitoral que os estrangeiros consideram mais “amigável ao mercado”, já que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mantém a liderança nas pesquisas de intenção de voto; e a percepção de que o banco central do país começava a agir à frente dos demais no combate à inflação.

“Mas a clareza sobre Lula está, digamos, cinzenta. Houve uma melhora de (Jair) Bolsonaro nas pesquisas. Este cenário (eleitoral) não é mais tão claro.”

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI2G14V BASEIMAGE




Saber mais

+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comia carne. Confira o resultado

+ O que acontece no cérebro quando morremos? Os cientistas já têm uma resposta
+ A “pedra da morte” do Japão quebra após quase mil anos
+ Homem incendeia usuário de drogas em Belo Horizonte

+ Veja quais carros foram roubados com mais frequência em SP

+ Após mulher dizer que Gusttavo Lima é pai da filha, ela pode ser processada
+ Horóscopo: Confira a previsão de hoje para o seu signo do zodíaco

+ Omicron: sintoma inesperado de infecção em crianças preocupa equipes médicas

+ Vendedores do Mercadão de SP ameaçam clientes com fraude de frutas

+ O truque de espremer limões está viralizando nas redes sociais

+ Expedição identifica lula gigante responsável pelo naufrágio de 2011
+ Autoridades dos EUA alertam: nunca lave frango cru


See also  'Bom pacote': programa do governo compra créditos de reciclagem

Leave a Comment

x