Guerra Ucrânia – Rússia ao vivo: Putin garante que “todos os objetivos serão alcançados”

Putin analisa a “operação militar”

Progresso no cessar-fogo

“A coordenação dos pontos controversos pode levar de vários dias a uma semana e meia. Durante esse período, devemos estar mais próximos de redigir um tratado de paz”, disse o assessor do chefe do Gabinete do Presidente da Ucrânia, Mikhail Podoliak, segundo a publicação da agência TASS. “Não queremos apenas concluir algum tipo de acordo. Queremos desenvolver um mecanismo específico que garanta nossa segurança no futuro”, explicou o político.

Em que consistem os bioexperimentos?

As Forças Armadas russas, lideradas por Vladimir Putin, afirmam ter documentação que confirmaria a coparticipação direta dos Estados Unidos, por meio do Pentágono, em projetos militares e biológicos na Ucrânia. Isso foi afirmado pelo chefe das tropas de proteção radiológica, química e biológica das Forças Armadas russas, Igor Kirillov, segundo a agência TASS.

Veja nosso link para saber mais sobre a queixa de Moscou contra os Estados Unidos e a Ucrânia.

“Entre a liberdade e a falta de liberdade”, diz Zelensky

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky fez um discurso por videoconferência perante o Bundestag (Parlamento alemão) na terceira semana da invasão russa da Ucrânia. Ele disse que um novo muro está sendo construído “entre a liberdade e a falta de liberdade”. Além disso, ele pediu ao chanceler alemão Olaf Scholz a capacidade de liderança para “derrubá-lo, em vez de priorizar” a economia.

Três semanas de bombardeios na Ucrânia

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pediu hoje à comunidade internacional que reconheça a Rússia como um “estado terrorista”, depois de acusar a Força Aérea daquele país de ter lançado “deliberadamente” um ataque a bomba ao teatro da cidade de Mariupol.

“A Força Aérea Russa lançou uma enorme bomba no teatro de Mariupolonde os moradores da cidade se refugiaram”, disse. Zelenskiem mensagem divulgada por sua conta no Facebook.

O presidente ucraniano pede então à comunidade internacional que “reconheça” que a Rússia se tornou um “estado terrorista”.

Dia 22 da invasão: A negociação avança, mas a luta continua

No 22º dia da invasão russa da Ucrânia, a perspectiva de um acordo de cessar-fogo parece estar cada vez mais próxima, segundo o lado ucraniano, que reconhece, no entanto, que a negociação é difícil.

Mas mais de três semanas após o início da “operação militar especial” da Rússia na Ucrânia, as forças armadas russas estão concentradas na frente sul, especialmente na Mariupol e Zaporizhiae eles não cessam sua ofensiva apesar das negociações em andamento com Kiev.

Nas últimas horas, a luta diplomática entre Estados Unidos e Rússia concentrou-se em saber se o presidente russo Vladimir Putin está “criminoso de guerra”conforme definido pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Qualificação que o Kremlin classificou como “inaceitável”.

Os “mercenários” sírios de Moscou, muito barulho por nada?

Desde que Moscovo manifestou há poucos dias a sua vontade de utilizar voluntários do Médio Oriente na invasão da Ucrânia, a divulgação de informações sobre o alegado recrutamento de até 40.000 mercenários síriosapesar de os números não parecerem realistas, logística ou militarmente.

Na sexta-feira passada, a Rússia estimou em 16.000 o número de voluntários da Oriente Médio disposto a apoiá-los na guerra, sem precisar quantos deles viriam da Síria, onde desde 2015 vem intervindo militarmente em favor de Damasco e onde tem forte influência sobre vários contingentes e milícias.

O duplo exílio dos judeus da Ucrânia sob a “desnazificação” de Putin

sob o pretexto de “desnazificar” Ucrânia, o presidente russo, Vladimir Putin, lançou uma guerra contra seu vizinho. Mas agora a comunidade judaica, que até um mês atrás vivia um período de esplendor no país após décadas de devastação e migrações pelo Holocausto e repressão soviética, está evacuando seus fiéis.

Na sinagoga Chabad, no coração da cidade portuária de Odessa e a única aberta das quatro que existiam antes da guerra, cerca de vinte judeus vêm recitar o Shajarit, a oração da manhã, e depois vão trabalhar ou se voluntariar na cidade, onde há grande tensão para um possível ataque russo.

Mas aquela sinagoga não é mais o que era, já que agora os bancos de madeira estão praticamente vazios em comparação com como estavam cheios antes de 24 de fevereiro.

Dos 25.000 judeus registrada pela comunidade de Odessa, uma das maiores do país, pelo menos 5.000 foram evacuados à Moldávia desde o início da guerra, segundo dados da comunidade judaica oferecidos à Efe.

Leave a Comment