Joe Wright diz que o corte de A Mulher na Janela não é dele

NETFLIX

O cineasta acusou que um conflito entre a 20th Century Fox e a gigante do streaming “diluiu” sua versão do filme. Descubra o que havia de diferente no papel de Amy Adams.

Amy Adams estrelou A Mulher na Janela na Netflix.
© IMDbAmy Adams estrelou A Mulher na Janela na Netflix.

Em 2021, Netflix incorporou uma fita altamente antecipada em seu catálogo por fãs de suspense e mistério: A mulher na janela. Protagonizada por Amy Adams, o filme recebeu críticas mistas de quem gostou e de outros que ficaram extremamente desapontados. Mas a polêmica não acabou no ano passado porque agora Joe Wrightseu diretor, garante que o corte apresentado na plataforma não pertence a você. O que realmente aconteceu?

O filme expõe Anna Fox, uma mulher que se sente muito segura olhando o mundo de sua janela. Quando a família Russell se muda para sua casa, eles a fazem testemunhar algo inimaginável que mudará tudo completamente. sob o roteiro de Tracy LettsTrata-se de uma adaptação do romance homônimo de A. J. Finn que combina agorafobia com drama e crime gerando reações mistas nos assinantes do serviço.

Para sua distribuição, desfilam figuras de luxo: Gary Oldman, Julianne Moore, Anthony Mackie, Fred Hechinger, Wyatt Russell, Brian Tyree Henry, Jennifer Jason Leigh, Jeanine Serralles e Mariah Bozeman. Quase um ano após sua estreia, o cineasta por trás deste thriller conversou com Vulture e explicou que a montagem que finalmente estreou no vermelho N – após um conflito com a 20th Century Fox – é na verdade muito diferente de sua visão.

Foi uma experiência longa, demorada e frustrante. O filme que finalmente foi lançado não foi o que eu fiz originalmente”, denunciou Joe Wright sem rodeios. É que, vale lembrar, o início da pandemia do Coronavírus trouxe consigo uma série de atrasos em sua produção, conseguindo que Disney vendeu os direitos da Netflix. Assim, acrescentou: “ficou muito diluído. Esteticamente, tinha partes realmente doentias e música muito violenta.”.

Infelizmente, o resultado não é o que seu líder tinha em mente. “Trent Reznor fez uma trilha incrível que foi abrasiva e dura. Em sua descrição de Anna – a personagem de Amy Adams – foi muito mais desastroso e até desprezível em muitos aspectos“, Ele continuou. E concluiu: “Infelizmente, o público não quer ver mulheres bagunçadas, feias, morenas, bêbadas ou tomando pílulas. Tudo bem que os homens sejam assim, mas as mulheres não. Então tudo foi diluído para ser algo que não era. Eu adoraria fazer um corte do diretor mas seria muito caro fazer isso acontecer”.

See also  BC atrasa o anúncio de estatísticas durante a operação normal do servidor

Leave a Comment

x