Monique Medeiros, mãe de Henry, teria sido jogada na roupa para ser advogada ‘apaixonada’ na cadeia – Rádio Itatiaia

Foto: Reprodução / Youtube / CNN


Reprodução / Youtube / CNN


Secretário da Administração Penitenciária abriu uma investigação sobre o caso


Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, falecido em 8 de março de 2021, teria cometido “atos libidinosos” com um advogado no Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica, Zona Norte do Rio.

Cinco detentas relataram que a própria Monique contou que puxou a blusa para um advogado se masturbar. Não são parlatórios, espaço reservado aos presos, vamos conversar como defensores através de um vidro. Não há câmeras não locais. Ainda segundo a denúncia, a advogada era “apaixonada” por Monique e faria qualquer coisa para que ela se libertasse.

leia também

Caso Henry Borel: Monique conta que foi abordada por Jairinho quando dormia ao lado do arquivo

Caso Henry Borel: Justiça vai ouvir testemunhas de acusação

Uma denúncia foi feita pelos presos após desentendimentos com Monique. Ela mesma teria sido contada na história, revelada mais tarde em uma discussão com os outros prisioneiros. A Secretaria de Administração Penitenciária abriu um procedimento disciplinar para investigar o caso. As informações são do portal G1.

Quem são os presos que denunciaram Monique:

Entre os presos que denunciaram os atos libidinosos da mãe da criança, Henrique está preso por crimes de não repercussão estatal. Fernanda Silva de Almeida, a “Fernanda Bumbum”, morta a tiros de uma rival do procedimento estético; Elaine Pereira Figueiredo Lessa é esposa de Ronnie Lessa, denunciado pela morte da vereadora Marielle Franco e do motociclista Anderson Gomes.

Karina Lepri Franco noticiou a morte do marido; Priscilla Laranjeira Nunes de Oliveira se mudou para a morte de um vizinho com a ajuda de um amante; Bruna Adrielly Correia Carlos – Presa foi presa com maconha e Cintia Gomes de Oliveira está presa por corrupção ativa.

Leave a Comment