“O país se tornou muito dependente do carro”

Jorge Delgado é o novo Secretário de Estado da Mobilidade Urbana. Natural de Viana do Castelo, é doutorado em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Foi professor do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, membro da STCP (Serviço de Transportes Colectivos do Porto), consultor de mobilidade e membro da administração da Metro do Porto, empresa que presidiu até à sua entrada no governo em 2019 como Secretário de Estado das Infraestruturas. Está agora a transitar para o Ministério do Ambiente e Proteção do Clima chefiado por Duarte Cordeiro, onde é responsável pelas políticas públicas de mobilidade urbana sob a supervisão de empresas de transportes como o Metro de Lisboa e a TTSL (Transtejo/Soflusa).

A transição energética e a descarbonização da economia são desafios urgentes. O país está dando os passos certos e o ritmo ideal nessa questão?
Portugal tem dado passos importantes para a descarbonização da mobilidade, nomeadamente para atrair cada vez mais pessoas para a utilização dos transportes públicos e para investir na qualidade do serviço e na redução do impacto ambiental.

Quais são as principais metas e objetivos da Estratégia Nacional de Mobilidade Ativa?
A Estratégia Nacional de Mobilidade Ativa visa, e cito aqui, “tornar Portugal um país ‘orgulhosamente ativo’, onde o ciclismo é uma atividade segura e generalizada, uma opção de mobilidade acessível e atrativa e, consequentemente, maximiza os benefícios para a saúde e a economia, emprego, ambiente e cidadania.” Ao longo dos anos, o país tornou-se excessivamente dependente do automóvel e perdeu hábitos de mobilidade mais saudáveis. que em outros países europeus Até 2030, almejamos 7,5% de participação modal de ciclovias em território nacional, aumentando para 10% nas cidades, e um desenvolvimento total de 10.000 km de ciclovias, um grande desafio com o qual estamos firmemente comprometidos.

See also  TNT Sports ao vivo, Colo Colo vs. Unión La Calera online para o Campeonato Nacional do Chile: assista ao jogo ao vivo via TNT Sports 2, TNT Sports Stadium e TNT Sports HD | ligação gratuita | RMMD | Chile | CL | ESPORTE-TOTAL

As políticas de mobilidade urbana fizeram do carro um alvo a ser erradicado dos centros das cidades, mas com o advento do carro elétrico e outras formas de mobilidade sem complicações, o transporte privado será bem-vindo de volta?
O transporte individual não deve ser demonizado – todos os modos de transporte têm seu papel. No entanto, deve-se notar que a questão do excedente de carros urbanos não se limita às emissões. O congestionamento e a ocupação são fatores críticos que afetam a economia e a qualidade de vida da população. Assim, a prioridade deve ser a criação de condições de enquadramento que tornem a utilização dos transportes públicos atractiva e prioritária. Se usar o carro deve ser a solução, deixe este carro funcionar com energia verde.

Portugal está preparado para a massificação da comercialização de carros elétricos, quer ao nível das infraestruturas, quer ao nível do desenvolvimento urbano?
O Estado português já investiu mais de 12 milhões de euros na rede pública de carregamento. A abertura do mercado de carregamento ao setor privado, com a garantia de acesso universal à rede pública de carregamento gerida pela Mobi.E, aumentou consideravelmente o leque de postos públicos nos últimos anos. Já temos mais de 5.000 tomadas disponíveis praticamente em todo o território nacional e 305 dos 308 municípios portugueses já permitem o carregamento público, estando 28% dos postos equipados com carregamento rápido ou ultrarrápido. As infraestruturas cresceram e acompanharam o crescimento da frota. Nosso objetivo é fornecer uma rede pública com 15.000 pontos de carregamento em 2025 e 36.000 pontos em 2030. Estamos no caminho certo.

Você acha que o esquema de incentivo de compra de VE é suficiente para acompanhar a crescente demanda?
Apoiamos a compra de veículos leves para pessoas físicas e comerciais leves para empresas. Em 2022, foi aumentado o financiamento do fundo ambiental para promover a compra de veículos elétricos: ascende a 10 milhões de euros, o dobro do ano anterior. Para além destes subsídios à compra, existem também inúmeros incentivos fiscais que promovem a compra deste tipo de viatura.

See also  Binacional derrotou o Sport Boys e subiu ao primeiro lugar no Torneio de Abertura da Liga 1

Leave a Comment

x