O risco-país volta aos níveis pré-guerra a partir do melhor humor dos mercados

Ultrapassou os 1.800 pontos básicos, graças à melhoria da renda fixa denominada em dólares de direito estrangeiro. Relatório PPI.

O Risco-país da Argentina mais uma vez ultrapassou o piso de 1.800 pontos básicos estava localizado em valores semelhantes aos que mostrava antes do desencadeamento da invasão russa da Ucrânia.

“Os títulos argentinos recuperaram o otimismo. As globais fecharam a sessão com aumentos entre +1,5% e +1,9%, apagando praticamente todas as perdas das duas últimas sessões”, destacou um relatório da Carteira de Investimento Pessoal (PPI).

O PPI especificou que o preço médio ponderado ficou em US$ 32,59 e voltou aos níveis da última sexta-feira, enquanto a taxa média caiu para 20,53% e o risco país caiu 34 unidades para 1.794 pontos.

A melhora se estendeu ao mercado acionário, com os principais ADRs argentinos acompanhando a tendência positiva de Wall Street, com alta média de até 2,6%.

Entre as ações com “DNA argentino”, destacaram-se Mercado Livre e Globant com aumentos de +13% e +11,4%, respectivamente.

dólar hoje

Enquanto isso, o dólar CCL Senebi saltou de US$ 5,3 para US$ 194,5/195.

A recuperação ocorreu após várias rodadas consecutivas de queda e depois de ter atingido mínimos desde setembro do ano passado.

O CCL (c/ GD30) seguiu uma tendência semelhante, somando US$ 3 a US$ 195,2 e deixando a diferença em torno de 78%.

O dólar oficial no atacado acelerou e somou 12 centavos, o que levou o crawling-peg a uma taxa nominal de 40,64%, enquanto o Banco Central não conseguiu comprar dólares.

O autoridade monetária fechou com saldo neutro devido à sua intervenção no MULC pela primeira vez até agora em março.

Como os pesos se saíram? “Vemos movimento dentro da curva CER. Os estoques corrigidos pela inflação terminaram positivos (+0,3/+0,6%) após o CPI de fevereiro. Enquanto os soberanos DL ficaram para trás com vermelhos de até -0,7%”, indicou o PPI.

o que aconteceu em wall street

O FED finalmente anunciou um primeiro salto na taxa de referência.

A posição do presidente do FED, Jerome Powell, prevaleceu sobre a visão mais ‘hawkish’ liderada por James Bullard (que pediu um aumento de 50 pontos básicos, acima dos 25 pontos votados pela maioria).

Representa a primeira alta de juros desde 2018 e ficou dentro das expectativas do mercado.

E o ‘aperto’? O Comitê de Mercado Aberto mencionou que planeja iniciar a redução do balanço na próxima reunião.

Além das decisões de política monetária, o FED lançou suas projeções das principais variáveis ​​macroeconômicas.

O FED cortou sua previsão de crescimento econômico em -1,2 ponto, dos 4,0% esperados em dezembro para 2,8% em 2022 e revisou a inflação para cima para este ano (4,1% vs. 2,7% anteriormente).
Para destacar: o Fed prevê um efeito transitório da guerra na Ucrânia sobre preços e atividade.

discurso de Powell

Na coletiva de imprensa, Powell foi muito comedido em sua mensagem inicial e ressaltou que a decisão do

O FOMC é apropriado para uma economia robusta com pressão de preços.

Como o mercado reagiu? Wall Street reduziu as perdas após as palavras de Powell.

O Nasdaq recuperou 3,8%, seguido pelo SPX e o DJIA com aumentos de 2,2% e 1,6%, respectivamente.
Nas taxas, o US2Y saltou 8 pontos base contra os 5 pontos base que o US10Y subiu.

Desta forma, o spread entre os dois caiu novamente para um mínimo de 2 anos.

O achatamento da curva reflete a desaceleração da atividade esperada pelo mercado, e também sugerida pelos índices de alta frequência e novas projeções do FED, observou o PPI.

Leave a Comment