Pilotos da APBF lideram Campeonato Brasil de F4 após sábado no Velocitta

A história da F4 Brasil começou a ser escrita neste sábado (14) na Velocitta em Mogi Guaçu (SP) e os pilotos da Associação Brasileira de Pilotos de Fórmula (APBF) são os principais protagonistas. A primeira prova da nova categoria teve um pódio composto apenas por membros da associação: Pedro Clerot da Full Time Sports, Nicholas Monteiro da TMG Racing e Nic Giaffone da Cavaleiro Sports. A segunda foi vencida por Ricardo Gracia.

Com os resultados deste sábado, os candidatos da APBF assumem a liderança do Campeonato Brasil de F4: Clerot, que também terminou em quarto naquele dia, tem 36 pontos, seguido por Gracia, que tem 22.

Os dez pilotos da APBF voltam ao interior de São Paulo neste domingo (15) a partir das 12h10 para a terceira prova da etapa. O BandSports e o YouTube da categoria mostram a prova ao vivo no Velocitta.

Confira o que os pilotos disseram sobre o primeiro dia de corrida na Velocitta:

“A corrida 1 foi muito legal, tive uma ótima largada, lideramos todas as voltas e tivemos um ritmo muito bom, isso é certamente o resultado de muito trabalho. Sofremos um pouco com a afinação do carro na segunda corrida, estávamos rodando com pneus mais velhos o que dificultou muito as ultrapassagens, mas no geral um P4 é muito bom, sou o líder do campeonato com uma boa vantagem para o vice-campeão – levante-se e ainda o tenha amanhã. Vamos lá”, avaliou Pedro Clerot, líder da F4 Brasil com 36 pontos.

“O tempo estava bastante quente, o que exigiu muito dos pneus e do motor, mas depois de passar Bartz fui mais rápido para garantir que ninguém me ultrapassasse. Depois de abrir uma lacuna, me estabilizei lá, claro que sempre fui rápido e com consciência”, disse Ricardo Gracia, atual vice-líder do campeonato.

See also  Você precisa de dinheiro rápido? Com esse dever de casa até as 17h de hoje, você pode ter R$ 185 a mais na sua conta; Profissional do mercado financeiro explica como

“Na corrida 2 mostrei um ritmo muito forte, larguei em último, terminei em quinto, mas o safety car logo no início me machucou no final, afinal queria ganhar mais posições, quem sabe um pódio. Tenho um ritmo muito forte e amanhã vou largar da pole e procurar a vitória”, disse Lucas Staico, piloto da TMG.

“Sabíamos que havia uma alta probabilidade de problemas tanto na frente quanto atrás do grid, sabíamos que o carro de segurança poderia aparecer, então foi muito trabalho cerebral, no rádio, junto com a equipe, tenho que obter o máximo para fora do carro. Na corrida 2 o foco foi marcar pontos para ter consistência”, revelou Nic Giaffone, que subiu ao pódio na primeira corrida e terminou em P7 na segunda.

“A corrida 1 foi muito boa, houve um incidente entre dois pilotos logo no início e conseguimos evitá-lo. Estávamos rápidos e com um ritmo forte, eu estava cada vez mais perto do primeiro lugar e foi uma tarefa complexa. Eu tive que virar mais rápido que ele e ao mesmo tempo economizar pneus para a corrida 2. Na segunda corrida quase conseguimos os pontos, mas o foco está no amanhã, que vale mais pontos”, disse Nicholas Monteiro, que terminou em segundo na corrida 1.

“Na primeira corrida tive um toque que furou o pneu, na segunda não tive ritmo, não consegui avançar na grelha mas amanhã é um novo dia. Larga em oitavo na corrida 3 e ainda temos pneus de ardósia não usados, vamos usar isso a nosso favor”, explicou Lucca Zucchini.

“Hoje não foi o que esperávamos, um piloto bateu no meu carro que quebrou o suporte do pneu traseiro. Na corrida 2, parti do 14º lugar e consegui alcançar os outros pilotos. Consegui travar bem e fazer curvas bem, mas tive um problema com o motor, que vamos mesmo mudar amanhã. Estamos focados e subindo”, avaliou Aurelia Nobels.

See also  O que os clubes brasileiros podem aprender com Barcelona e Lyon

Leave a Comment

x